T-Cross voltará a ser produzido pela Volkswagen

on
Categories: Notícias
Fachada da fábrica em São José dos Pinhais: detalhe para o logotipo da montadora com máscara
Volkswagen Divulgação

Recentemente, a Volkswagen confirmou a retomada na produção da fábrica em São José dos Pinhais, no estado do Paraná, nesta segunda-feira (18). Segundo a empresa as demais unidades fabris da empresa localizadas no estado de São Paulo – São Bernardo do Campo, Taubaté e São Carlos – têm previsão para retornarem à operação no final de maio. Na divisão de veículos comerciais (VWCO) a fabricação já foi retomada há duas semanas em Resende/RJ.

Com quase dois meses de suspensão total nas unidades a Volkswagen afirma seguir um rígido protocolo de higiene e segurança para proteger a saúde dos empregados, que só na unidade paranaense soma 2.500 pessoas.

T-Cross é um dos SUVs compactos mais vendidos do país e terá produção retomada
T-Cross é um dos SUVs compactos mais vendidos do país e terá produção retomada
Marcos Camargo Jr

Em nota a empresa afirma que “a primeira linha de produção a ser retomada será a do SUV T-Cross. Serão dois turnos em ritmo mais lento, com os empregados respeitando o distanciamento social recomendado, e com a curva de aceleração visando atender a demanda do mercado”.

De forma antecipada o presidente da Volkswagen, Pablo Di Si, tem dito que todo o trabalho de conscientização e treinamento nesta fase foi tomado inspirado em outras unidades da marca no mundo como na Alemanha e na China. A unidade de produção terá limitadores de distância e o uso de máscara será obrigatório contando com um estoque de 67 mil unidades produzidas pelo projeto Costurando o Futuro. Na fábrica estarão disponíveis três postos de atendimento médico para atender os colaboradores.

“O retorno é um sinal importante para nós, para nossa rede de concessionárias, fornecedores e a economia em geral. No contexto pandemia, porém, este é apenas o primeiro passo. É necessário um momento adiante para estimular a demanda do mercado interno e países nos quais exportamos nossos veículos e, assim, adequar os volumes de produção diante da demanda”, finaliza Di Si.

Fonte: R7